Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2012

CLASSIFICAÇÃO DOS MICROSCÓPIOS NO SISTEMA HARMONIZADO

O advento dos microscópios abriu um novo mundo para a sociedade humana e para a cura das suas mazelas. Os microscópios abriram possibilidades maravilhosas para os biólogos e médicos, dentre outros. O Sistema Harmonizado dividiu o gênero dos microscópios em três subgêneros, denominados de: microscópios óticos, microscópios eletrônicos e microscópios protônicos, e os classificou das seguintes maneiras: A - MICROSCÓPIOS ÓPTICOS Ao contrário das lupas da posição 9013, que permitem somente observar o objeto diretamente e cuja ampliação é fraca, os microscópios ópticos funcionam observando uma imagem previamente ampliada do referido objeto. Os microscópios ópticos compõem-se, em geral, essencialmente: I) De uma objetiva constituída fundamentalmente por um sistema óptico que dá uma imagem ampliada do objeto e de uma ocular que exerce a função de lupa, através da qual se observa a imagem ampliada. A parte óptica comporta também, geralmente, um sistema de iluminação do objeto pela parte inferior,…

CLASSIFICAÇÃO DAS MÁQUINAS E APARELHOS PARA A FABRICAÇÃO DE FALSOS TECIDOS

Hoje, os falsos tecidos já fazem parte de nosso dia a dia. Utilizados, por exemplo, em pequenos pedaços, para isolar o teclado da tela de cristal líquido em notebooks até toalhas de mesa, passando por uma infinidade de outras utilidades domésticas e industriais, os falsos tecidos estão presentes na sociedade tecnológica (sobre o os falsos tecidos veja no marcador deste blog a expressão “falso tecido”). A fabricação de falsos tecidos exige máquinas e aparelhos, que podem ser reunidas nos seguintes grupos: 1) Feltradoras, geralmente compostas de duas placas metálicas estriadas (feltradoras de bandejas), uma fixa e a outra animada de um movimento de deslocamento alternativo, e entre as quais, sob o efeito combinado da fricção e da pressão, a manta de pêlos sofre uma primeira feltragem. Estas máquinas comportam também, dispositivos de umidificação e de aquecimento. Em outros tipos de máquinas de feltrar, as placas são substituídas por dois trens sobrepostos de rolos canelados, animados por …

CLASSIFICAÇÃO DOS APARELHOS DE MECANOTERAPIA

Quem pratica qualquer tipo de esporte, como por exemplo: corrida, ciclismo, golfe, tênis e natação, ainda que sem pensar em competições, não pode prescindir da Fisioterapia. Eu prefiro, em vez de definir Fisioterapia da forma clássica (ciência aplicada à prevenção e tratamento da saúde por meio de recursos físicos), pensar na Fisioterapia como a ciência do milagre e da eliminação da dor, capaz de nos fazer voltar a viver na plenitude das nossas capacidades e praticar nossos esportes favoritos. Costumo chamar minha fisioterapeuta de santa milagreira, pois ela consegue fazer com que meus músculos funcionem sem muito protesto e com relativo conforto. A Fisioterapia faz uso de vários procedimentos um deles utiliza aparelhos mecânicos para fortalecer, alongar, repotencializar a musculatura e reeducar movimentos comprometidos. Este procedimento é denominado de mecanoterapia. Os aparelhos de mecanoterapia permitem reproduzir mecanicamente os diversos movimentos e, por isso, são empregados espe…

CLASSIFICAÇÃO DOS SUPERFOSFATOS SIMPLES, DUPLOS E TRIPLOS

Os superfosfatos são compostos químicos resultantes da reação entre ácido sulfúrico ou ácido fosfórico e fontes naturais de fósforo (fosfatos naturais e apatitas). Na ausência destas últimas, pode-se usar também pó de ossos. Os superfosfatos podem ser simples, duplos ou triplos, contudo tal distinção não afeta a classificação dos mesmos no Sistema Harmonizado. Os superfosfatos simples obtêm-se pela ação do ácido sulfúrico sobre os fosfatos naturais (apatitas) ou sobre o pó de ossos. Em geral, os superfosfatos simples são comercializados nas concentrações de 18 a 21% de P2O5. Já os superfosfatos duplos ou triplos obtêm-se pela ação do ácido fosfórico sobre os fosfatos naturais (apatitas) ou sobre o pó de ossos. Aqui a concentração de P2O5 varia, em geral, entre 42 a 46%. Na Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) os superfosfatos da subposição 3103.10 são desdobrados conforte seu teor em P2O5, ou seja: 3103 Adubos (fertilizantes) minerais ou químicos, fosfatados. 3103.10 - Superfosfatos 3103.1…

REGRAS PARA CLASSIFICAÇÃO DE TÊXTEIS MISTURADOS

É muito comum nos dias de hoje a existência de produtos têxteis que utilizam mais de um material. Estes são denominados de produtos têxteis misturados. A classificação dos têxteis misturados é feita pelas seguintes regras: A) Os produtos têxteis dos Capítulos 50 a 55 ou das posições 5809 ou 5902, contendo duas ou mais matérias têxteis, classificam-se como se fossem inteiramente constituídos pela matéria têxtil que predomine em peso, relativamente a cada uma das outras matérias têxteis. Quando nenhuma matéria têxtil predomine em peso, o produto é classificado como se fosse inteiramente constituído pela matéria têxtil que se inclui na posição situada em último lugar na ordem numérica dentre as suscetíveis de validamente se tomarem em consideração. B) Para aplicação do comando anterior deve-se ter em mente que: a) os fios de crina revestidos por enrolamento (posição 5110) e os fios metálicos (posição 5605) devem ser considerados como matérias têxteis unas, cujo peso total corresponde à som…

PRODUTOS DE PERFUMARIA E PREPARAÇÕES COSMÉTICAS

Com certeza perfumes (da posição 3303), produtos de perfumaria e preparações cosméticas (ambos da posição 3307) não são, como muitos pensam, coisas supérfluas. Ao contrário, são mercadorias úteis, necessárias, que refletem muito a nossa sociedade e, ademais, agradáveis (como é desagradável estar próxima a alguém, homem ou mulher, com aquele cheiro de suor ou entrar num ambiente com cheiro ruim). Assim, perfumes, produtos de perfumaria e preparações cosméticas (e há algumas fantásticas) são sim mercadorias essenciais, haja vista que hoje em dia estamos em estreito contato com as pessoas e encerrados em ambientes pequenos, às vezes exíguos (por exemplo, em elevadores, trens, carros, metrôs, lojas, supermercados e restaurantes). Os perfumes, como foi dito, se classificam na posição 3303. Já os produtos de perfumaria e as preparações cosméticas são classificadas na posição 3307. As NESH da posição 3303 ensinam que perfumes se apresentem nas formas de líquido, de creme ou de sólido (compreend…

CLASSIFICAÇÃO DA SUARDA, DA OLEÍNA DE SUARDA, DA LANOLINA DE SUARDA E DO PEZ OU BREU DE SUARDA.

Suarda é o nome dado a uma gordura, viscosa e com odor bastante desagradável, retirada das águas saponáceas provenientes do desengorduramento da lã e do pisoamento dos tecidos (para saber sobre pisoamento veja: http://pt.texsite.info/Tecido_feltrado). A suarda também é extraída das lãs gordurosas por meio de solventes voláteis (como por exemplo, o dissulfeto de carbono). Em termos estritos a suarda, por não conter glicerídeos, é tida como uma cera ao invés de gordura. A utilização imediata da suarda dá-se na preparação de lubrificantes ou para outros usos industriais, como por exemplo, no passado, na fabricação de certas graxas (hoje esse uso está descontinuado). Já como matéria-prima a suarda serve para obtenção da lanolina, da oleína e da estearina. A lanolina é o resultado do refino da suarda, obtida por depuração da suarda, tem consistência de unguento. De acordo com o Merck Index (13ª Edição), a lanolina é reconhecida desde a antiguidade por suas propriedades emolientes. E mais, em t…

CLASSIFICAÇÃO DAS MÁQUINAS E APARELHOS PARA PREPARAR, CURTIR OU TRABALHAR COUROS OU PELES

Essas máquinas e aparelhos são vitais para fazer com que os couros se tornem utilizáveis nos objetos do mundo de hoje. As indústrias que preparam, curtem ou trabalham couros e peles contam com uma variedade enorme de máquinas para ajudá-las nesse intento. Deve notar-se que certos tipos de máquinas ou aparelhos deste grupo intervêm, na prática, em diversos estágios da transformação dos couros, peles ou peleteria (lavagem, reverdecimento, eliminação de cal, oleagem, tingimento, etc.); tal é o caso, principalmente, dos tambores de fulões e de certos tipos de cubas e tambores que comportam dispositivos agitadores, mecanismos de rotação, aparelhos para manipulação dos produtos, etc. Também fazem parte deste grupo, entre outros: 1) as máquinas de despelar, que servem para eliminar das peles brutas os pêlos previamente desagregados pelos banhos químicos; 2) as máquinas de descarnar que extraem da pele despelada as excrescências carnudas ou gordurosas que subsistem do lado do carnaz; 3) os ful…

CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS IMUNOLÓGICOS MODIFICADOS

Até dezembro de 2011, o Sistema Harmonizado (SH), base da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), considerava produtos imunológicos modificados APENAS: - os anticorpos monoclonais (MAK, MAB); - os fragmentos de anticorpos; - os conjugados de anticorpos; e - os conjugados de fragmentos de anticorpos. Ademais, para o SH, a expressão “anticorpos monoclonais (MAK, MAB)” se referia a imunoglobulinas específicas compostas de células de hibridomas selecionadas e clonadas, mantidas em cultura in vitro ou sob a forma de tumor ascítico. Entretanto com o advento do SH 2012 o alcance dos “produtos imunológico modificados” foi corrigido e ampliado, haja vista que agora eles são peptídios e as proteínas (com exclusão dos produtos da posição 2937) que participem diretamente na regulação dos processos imunológicos, tais como: - os anticorpos monoclonais (MAB); - os fragmentos de anticorpos; - os conjugados de anticorpos e os conjugados de fragmentos de anticorpos; - as interleucinas; - os interferons (IFN); - …

CLASSIFICAÇÃO DOS ANIMAIS VIVOS

Em relação a classificação dos animais vivos no Sistema Harmonizado, a regra é muito clara, ou seja: Todos os animais vivos se classificam-se no Capítulo 1 Esta regra tem uma exceção, isto é, os animais que são utilizados como atrações (como por exemplo, em parques, circos, coleções para exposição que se deslocam de um local para outro) devem ser classificados no Capítulo 95, especificamente na posição 9508. O Sistema Harmonizado exemplifica essa exceção quando se refere aos cavalos de circos (e podemos juntar leões, tigres e ursos, por exemplo), que não são classificados no Capítulo 1, mas sim no Capítulo 95. Bom sábado para todos. Cesar Olivier Dalston, http://www.daclam.com.br/. Fontes: SH e NESH, com adaptações.

CLASSIFICAÇÃO DOS CONCENTRADOS ENZIMÁTICOS

Em geral, esses concentrados são obtidos a partir de extratos aquosos ou por meio de solventes, de órgãos de animais, de plantas, de microrganismos ou de caldo de cultura (estes últimos derivados de bactérias ou de bolores, etc.). Esses produtos, que podem conter várias enzimas em diversas proporções, podem apresentar-se em concentrações-tipo ou estabilizados. Convém observar que alguns desses agentes de concentrações-tipo ou de estabilização se encontram já presentes em quantidades variáveis nos concentrados, provindo quer do licor de fermentação, quer do processo de clarificação ou de precipitação. Os concentrados podem, por exemplo, obter-se em pó por precipitação ou liofilização, ou ainda em grânulos, por meio de suportes inertes ou de agentes de granulação. Os concentrados enzimáticos do pâncreas, obtêm-se normalmente a partir de pâncreas frescos ou dessecados. Podem conter sais que absorvem grandes quantidades de água de cristalização e alguns colóides de proteção que permitem a…

CLASSIFICAÇÃO DE REBITES

Em termos de Classificação de Mercadorias, os rebites são partes de uso geral e, portanto, obedecem ao estabelecido na Nota 2 da Seção XV, isto é: 2 - Na Nomenclatura, consideram-se “partes e acessórios de uso geral”: a) Os artefatos das posições 7307, 7312, 7315, 7317 ou 7318, bem como os artefatos semelhantes de outros metais comuns; b) As molas e folhas de molas, de metais comuns, exceto molas de relojoaria (posição 9114); c) Os artefatos das posições 8301, 8302, 8308 ou 8310, bem como as molduras e espelhos, de metais comuns, da posição 8306. Nos Capítulos 73 a 76 e 78 a 82 (exceto a posição 7315), a referência às partes não compreende as partes e acessórios de uso geral acima definidos. Ressalvadas as disposições do parágrafo precedente e da Nota 1 do Capítulo 83, as obras dos Capítulos 82 ou 83 estão excluídas dos Capítulos 72 a 76 e 78 a 81. Os rebites são geralmente de forma cilíndrica e têm cabeça chata ou convexa. Eles são empregados para reunir, de forma permanente, partes metálica…

CLASSIFICAÇÃO DOS ANALISADORES DE GASES OU DE FUMAÇAS

Esses analisadores são aparelhos utilizados para análise de gases combustíveis ou de produtos de combustão (gases queimados) em: fornos de coque, gasogênios, altos fornos, etc. e permitem dosar especialmente: ácido carbônico (é uma mistura de dióxido de carbono e água), óxido ou monóxido de carbono, oxigênio, hidrogênio,nitrogênio ou hidrocarbonetos para uma conduta racional da fabricação. Os analisadores elétricos são utilizados em numerosas indústrias, especialmente para medir a composição dos seguintes gases: anidrido carbônico, monóxido de carbono e hidrogênio, oxigênio, hidrogênio, anidrido sulfúrico e gás amoníaco. Ainda no grupo desses analisadores se incluem aqueles aparelhos colocados em túneis e que servem para auxiliar no controle da ventilação (maior ou menor conforme o teor de monóxido e dióxido de carbono). Alguns desses analisadores de gases operam por dosagem volumétrica dos gases queimados ou absorvidos por substâncias químicas apropriadas, tais como: 1º) Os aparelhos …

CLASSIFICAÇÃO DE LUMINÓFOROS

Luminóforos, em geral, são preparações químicas inorgânicas que, pela ação de radiações visíveis ou invisíveis (por exemplo, luz solar, radiação ultravioleta, raios catódicos e raios X), produzem o fenômeno de luminescência, isto é, fluorescência ou fosforescência. Em regra os luminóforos são constituídos por sais de metais ativados pela presença, em quantidades mínimas, de produtos “ativadores”, tais como a prata, o cobre ou o manganês, como por exemplo: - Sulfeto de zinco ativado pela prata ou pelo cobre; - Sulfato de zinco ativado pelo cobre; e - Silicato duplo de zinco e berílio ativado pelo manganês. Todavia, há casos de luminóforos que são sais de metais cujas propriedades luminescentes se devem não à presença de “ativadores”, mas somente ao fato de terem adquirido, depois de tratamentos apropriados, estrutura cristalina muito particular. Entre esses últimos luminóforos, que conservam sempre as características de produtos de constituição química definida, sem conterem qualquer out…

CLASSIFICAÇÃO DAS COMPOSIÇÕES VITRIFICÁVEIS

Essas composições ou preparações, às vezes denominadas esmaltes, coberturas, vidrados ou vernizes, são misturas de sílica com outros produtos (feldspato, caulim, álcalis, carbonato de sódio, compostos de metais alcalino-terrosos, óxido de chumbo, ácido bórico, etc.) que originam uma superfície lisa, brilhante ou fosca, por vitrificação a quente. Em certos casos, alguns dos constituintes acima referidos foram previamente fundidos e intervêm na mistura, sob a forma de fritas (vide fritas de vidro neste blog). As composições vitrificáveis podem ser transparentes (coradas ou não) ou tornadas opacas pela adição de pigmentos ou de opacificantes. As composições ou preparações vitrificáveis são classificadas na posição 3207 do Sistema Harmonizado. São igualmente incluídas na posição 3207 as composições vitrificáveis que tenham sido adicionadas de produtos cristalizantes (óxido de zinco ou de titânio, por exemplo) destinados a provocar cristalizações decorativas durante o resfriamento posterior…

O QUE É METAL FOLHEADO?

Na Nomenclatura do Sistema Harmonizado, base da Nomenclatura Comum do Mercosul, são considerados metais folheados ou chapeados de metaispreciosos, também conhecidos como plaqué ou plaquê: 1) Os artefatos com um suporte de metal que apresentem uma ou mais faces recobertas de metais preciosos, por soldadura, laminagem a quente ou por processo mecânico semelhante; e 2) Salvo disposição em contrário, os artefatos de metais comuns incrustados de metais preciosos. Cesar Olivier Dalston, www.daclam.com.br. Fonte: NESH com adaptações.

CLASSIFICAÇÃO DOS TERMÔMETROS

Caracteriza-se termômetro como o dispositivo, apresentado na forma de instrumento ou aparelho, capaz de medir a temperatura de corpos sólidos, líquidos ou gasosos. A base fundamental, científica, da medição efetuada pelos termômetros é a “Lei Zero” da Termodinâmica (Se dois corpos estão em equilíbrio com um terceiro, então eles estão em equilíbrio térmico entre si). Entre os termômetros podem citar-se: 1) Os termômetros de líquidos, com tubos de vidro, cujos principais tipos são: os termômetros de uso doméstico (termômetros de sala, de exterior, etc.), termômetros flutuantes (para banhos, etc.), termômetros de uso médico ou veterinário, termômetros industriais (para caldeiras, fornos, autoclaves, etc.), termômetros de laboratório (para calorimetria, crioscopia, ebulioscopia, etc.), termômetros especiais para meteorologia (por exemplo, para medida de radiações solares ou terrestres), termômetros utilizados em hidrografia (termômetros reversíveis, por exemplo, especialmente para sondage…