Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 23 de outubro de 2010

CLASSIFICAÇÃO NA NCM DE MÁQUINAS E APARELHOS PARA SOLDAR

Essas máquinas se classificam na posição 8515, exceto as máquinas:
- Para acondicionamento de mercadorias providas de dispositivos elétricos de soldadura (tais máquinas se classificam na posição 8422);
- Prensas fixadoras (que se alojam na posição 8451);
- Destinadas exclusivamente a cortar (geralmente se classificam na posição 8456);
- Para soldar por fricção (posição 84.68);
- E aparelhos para brasagem ou soldagem, dos tipos usados exclusiva ou principalmente na montagem de semicondutores (pertecencem a posição 8486).
O grupo de máquinas que se alojam na posição 8515 compreende também os aparelhos que se destinam à soldadura, portáteis ou fixos.
Os aparelhos e máquinas desse tipo classificam-se também no presente grupo quando são capazes de efetuar operações de corte.
A soldadura pode ser executada manualmente ou ser inteira ou parcialmente automática.
Distinguem-se no grupo de máquinas e aparelhos da posição 8515:
A) As máquinas e aparelhos para soldadura forte ou fraca. O calor é geralmente fornecido por uma fonte de corrente elétrica condutiva ou indutiva. A soldadura “forte” e a soldadura “fraca” são processos que permitem unir peças metálicas por meio de um metal de adição, no estado líquido, com um ponto de fusão inferior ao das peças a reunir, metal este que adere ao metal de base, o qual não participa por fusão na constituição da união. O metal de adição é distribuído geralmente sobre a superfície de união por capilaridade. A soldadura “forte” pode distinguir-se da soldadura “fraca” pela temperatura do ponto de fusão dos metais adição utilizados. Este ponto de fusão é geralmente superior a 450ºC na soldadura “forte” e mais baixo, na soldadura “fraca”. Só se classificam neste grupo as máquinas e aparelhos providos de um equipamento especial (por exemplo, um sistema de alimentação com fio de solda), que permite identificá-los como exclusiva ou principalmente destinados à soldadura.
B) As máquinas e aparelhos para soldar metais por resistência. O calor necessário é produzido pelo Efeito Joule provocado pela resistência à uma corrente elétrica que atravessa as peças a soldar. As peças assim aquecidas são, então, soldadas por pressão e os fundentes ou metais de adição não são utilizados. Existem numerosas máquinas deste tipo, cada uma delas adaptada às características dos materiais a soldar. Podem citar-se, por exemplo: as máquinas de soldadura de topo, por pressão ou pela ação de centelhas; as máquinas de soldar por ponto simples, que compreendem as pinças de soldar, com transformador separado ou incorporado; as máquinas de soldar de pontos múltiplos, e seus equipamentos; as máquinas de soldar por projeção; as máquinas de soldadura contínua; as máquinas de soldar por resistência a alta freqüência.
C) As máquinas e aparelhos para soldar (mesmo de corte) metais por arco ou jato de plasma. Dentre elas, destacam-se:
1) Soldadura por arco. O calor é fornecido por um arco voltaico produzido entre dois eletrodos ou entre um eletrodo e a peça a trabalhar. Existem numerosos aparelhos deste tipo: por exemplo, para soldadura manual de arco com eletrodos revestidos; para soldadura por meio de gás de proteção; para soldadura ou corte por meio de eletrodos consumíveis ou não, ou de arco protegido (soldadura por arco em atmosfera inerte: MIG (Metal Inert Gas); soldadura por arco em atmosfera ativa: MAG (Metal Active Gas); soldadura por arco em atmosfera inerte com eletrodo de tungstênio: TIG (Tungsten Inert Gas); soldadura por arco em fundente sólido; soldadura por arco em escória; soldadura por arco vertical em meio gasoso (eletrogás), etc.).
2) Soldadura por jato de plasma. A fonte de calor é fornecida por um arco focalizado que, por ionização e dissociação, transforma um gás auxiliar em plasma (jato de plasma). Os gases auxiliares podem ser inertes (argônio e hélio), poliatômicos (hidrogênio, nitrogênio, etc.) ou misturas destes gases.
D) As máquinas e aparelhos para soldar metais por indução. O calor é fornecido por uma corrente elétrica que atravessa um ou mais indutores (bobinas).
E) As máquinas e aparelhos para soldar (mesmo de corte) por feixes de elétrons (bombardeamento eletrônico). O calor é fornecido pelo impacto, sobre as peças a soldar ou a cortar, de um feixe de elétrons, focalizado, produzido no vácuo.
F) As máquinas e aparelhos para soldar por difusão no vácuo. Na maioria dos casos o calor é obtido por indução, mas também pode ser produzido por feixes de elétrons ou por resistência. Estas máquinas e aparelhos compõem-se essencialmente de uma câmara de vácuo, uma bomba de vácuo, um dispositivo de pressão e por aparelhos para aquecer as peças.
G) As máquinas e aparelhos para soldar (mesmo de corte) por feixes de fótons. A soldadura por feixes de fótons compreende:
1) Soldadura a laser. O calor provém de uma fonte de radiação essencialmente coerente e monocromática, que pode ser focalizada no intuito de obter elevadas densidades de energia; o calor é produzido pelo impacto do raio laser sobre a peça a soldar ou a cortar.
2) Soldadura por feixes luminosos. O calor é produzido pelo impacto de um feixe luminoso focalizado, não coerente.
H) As máquinas e aparelhos para soldar matérias termoplásticas. Destacam-se:
1) Soldadura por gás aquecido eletricamente. As superfícies a unir são aquecidas por meio de um gás (geralmente o ar) levado a uma temperatura conveniente por processo elétrico e soldadas por pressão, com ou sem produtos de adição.
2) Soldadura por elementos aquecidos eletricamente. As superfícies a unir são aquecidas por meio de elementos aquecidos eletricamente e soldados por pressão, com ou sem produtos de adição.
3) Soldadura por alta freqüência. Superfícies de materiais termoplásticos (por exemplo, polímeros acrílicos, polietileno, poli(cloreto de vinila), poliamida (náilon, por exemplo)) com características de perdas dielétricas suficientemente elevadas são aquecidas por alta freqüência e soldadas por pressão. Aditivos podem ser utilizados.
I) As máquinas para soldar por ultra-sons. As peças a unir, aplicadas uma contra a outra, são submetidas a vibrações ultra-sônicas que efetuam a soldadura dos elementos. Este processo permite reunir elementos de metais ou ligas não soldáveis por métodos clássicos, bem como a soldadura de folhas metálicas muito delgadas, de peças de metal diferentes ou de folhas de plásticos. As máquinas e aparelhos elétricos de soldar, alimentam-se mais freqüentemente de corrente contínua de baixa tensão produzida por um gerador ou de corrente alternada de baixa tensão fornecida por um transformador-redutor. Nas máquinas fixas, esta aparelhagem de alimentação é, na maioria das vezes, integrada na própria máquina. Todavia, nas máquinas de soldar portáteis, as cabeças ou pinças de soldar ligam-se geralmente ao dispositivo de alimentação por meio de cabos condutores.
Cesar Olivier Dalston, http://www.daclam.com.br/. Fonte: NESH.

Nenhum comentário:

Postar um comentário